segunda-feira, 30 de abril de 2012

Bahia bate conquista e disputará título com Vitória



Eduardo Martins | Ag. A Tarde
Para o delírio da torcida tricolor, Bahia marca no final e avança à decisão do Baianão
Para o delírio da torcida tricolor, Bahia marca no final e avança à decisão do Baianão
Após amargar um empate sem gols com um retrancado Vitória da Conquista até os 43 minutos do segundo tempo, o Bahia fez valer a sua tradição e, com um tento no final, depois de dois anos, voltou a garantir o seu lugar na decisão do Campeonato Baiano.
O gol salvador saiu em jogada típica do tricolor no Estadual: após bola alçada na área, o grandalhão Rafael Donato subiu mais que a defesa do Bode e, de cabeça, pôs fim ao drama do Esquadrão.
Ancorado no regulamento, o Vitória da Conquista assumiu uma postura defensiva por durante toda a partida e se arriscou em poucos contra-ataques. Apesar da retranca, o time do interior teve a sua melhor chance de marcar aos 32 minutos da segunda etapa, com Júnior Pantera, mas o atacante desperdiçou em dois chutes subsequentes: o primeiro bateu na trave; o segundo foi para fora.
A chance desperdiçada pelo alviverde certamente fez o torcedor tricolor respirar não somente aliviado, mas também mais esperançoso. Sem muitos espaços a explorar e com os laterais pouco acionados, o Esquadrão teve que recorrer à bola aérea para trespassar o bloqueio conquistense. Júnior entrou em lugar de Diones e, ao lado de Souza e do grandalhão Donato, passou a ser um dos alvos das bolas alçadas contra a defensiva consquistense. Deu certo.
O triunfo heroico sobre o Vitória da Conquista confirmou o tricolor como o adversário do rival Vitória na final do Estadual, cuja partida de ida acontece às 16h do próximo domingo, 6, no Barradão. No sábado, 5, o Conquista faz também o jogo de ida contra o Feirense pela disputa do terceiro lugar; o local do duelo ainda será definido.
Herói alviverde - O primeiro tempo de jogo em Pituaçu teve um dono: o goleiro Rodolfo, que fez defesas milagrosas e livrou o Vitória da Conquista de sair atrás no placar. Com uma postura defensiva, o Bode abraçou o regulamento e conseguiu frear o tricolor, que, apesar dos erros de passes excessivos, jogou melhor.
Apesar da superioridade do time da casa, foi o Bode quem assustou primeiro: logo aos 15 segundos, na saída de bola, Átila fez boa jogada pela direita e serviu Carlinhos na grande área, mas o meia não conseguiu chegar na bola. Depois, só deu Bahia. Aos oito minutos, Fahel pegou sobra de escanteio e, com uma bomba, mandou sobre a baliza de Rodolfo.
Um minuto depois, Gabriel cruzou e Diones, livre, quase marcou, mas Rodolfo salvou. O volante tricolor, no entanto, estava impedido. Três minutos depois, Coelho cobrou falta com perfeição e o arqueiro conquistense saltou para mandar para escanteio. Aos 20, o lateral tricolor caiu no gramado e teve que ser substituído. Desprevenido no banco de reservas, sem Madson, Falcão colocou Fabinho no lugar.
Mesmo com Morais travestido de meia armador e com os laterais pouco incisivos, o Esquadrão aproveitou a retranca do Bode e seguiu em cima. Aos 27, Gabriel, pelo lado direito, chutou colocado, de esquerda; Rodolfo espalmou de novo. Quatro minutos depois, Morais recebeu livre na área e mandou outra bomba para consagrar o camisa 1 do Conquista, que salvou mais uma vez. Aos 48, Rafael Donato aproveitou cruzamento e, de cabeça, mandou a bola à direita de Rodolfo; para fora.
Estrela tricolor - Apesar do ímpeto maior e da busca pelo gol com maior intensidade, o Bahia caiu de rendimento no início do segundo tempo e o Conquista, com o mesmo esquema retrancado, conseguiu segurar o resultado até os últimos minutos do jogo.
Como o seu time não oferecia perigo ao adversário até os 12 minutos, Falcão tirou Diones e colocou Júnior para povoar ainda mais o ataque, mas ainda demoraria a reconhecer a improdutividade de Morais para, em substituição, colocar o meia Magno.
O tricolor pressionou o Bode, mas seguiu com dificuldades para finalizar com êxito as jogadas de ataque. Aos 21 minutos, Souza aproveitou cruzamento e cabeceou para fora. Maurício Pantera teve a chance de complicar ainda mais a vida do Esquadrão aos 31 minutos, quando, livre pela esquerda, mandou uma bomba na trave de Lomba; no rebote, mandou para fora.
Apesar da apreensão reinante, a maioria absoluta da torcida presente nas arquibancadas de Pituaçu parecia convicta de que o tricolor ainda chegaria à classificação e, enquanto ditava o ritmo com os seus habituais cânticos de incentivo, aos 43 minutos, teve que interromper a música para soltar o grito que abafou o zizio da bola, levada pelo cabeceio de Donato, a beijar as redes. Brilhou a estrela.


Bahia 1X0 Conquista - jogo de volta da semifinal do Campeonato Baiano.
Local: Estádio Metropolitano de Pituaçu, em Salvador (BA).
Data: Domingo, 29 de abril.
Horário: 16h.
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra.
Assistentes: Marcos Lopes Leal e Marcos Welb Rocha de Amorim.
Gol: Rafael Donato (aos 43 minutos do segundo tempo) para o Bahia.
Cartões amarelos: Lulinha e Marcelo Lomba (Bahia); Átila (Conquista).
Cartão vermelho: Júnior Gaúcho (Conquista).
Bahia: Marcelo Lomba; Coelho (Fabinho), Donato, Titi e Gerley; Diones (Júnior), Fahel, Gabriel e Morais (Magno); Lulinha e Souza. Técnico: Paulo Roberto Falcão.
Conquista: Rodolfo; Átila, Naldo, Silvio e Lucivaldo; Edmar, Mica, Júnior Gaúcho e Carlinhos; Cacá (Lídio) e Hugo (Maurício Pantera, depois Gilcimar). Técnico: Elias Borges.

Rafael França/A Tarde

Nenhum comentário: