quinta-feira, 14 de março de 2013

Sport fica no empate com Petrolina


Na primeira entrevista depois de retornar ao Sport, Sérgio Guedes foi enfático em relação ao que esperava dos atletas leoninos. "A maior entrega possível", avisou. Porém, o técnico não foi brindado com o que desejava. Na noite desta quarta-feira, a primeira impressão que os jogadores passaram para o comandante, reestreando pelo clube na beira do gramado, foi de apatia. No estádio Paulo Coelho, no Sertão, os rubro-negros empataram sem gols com o Petrolina. O resultado e, sobretudo o futebol apresentado, assusta a torcida às vésperas do clássico contra o Náutico, domingo, na Ilha do Retiro. Até lá, o técnico terá pouco tempo para corrigir os vários erros demonstrados na partida.

Sérgio Guedes, é bem verdade, não escalou quem entraria em campo diante da Fera Sertaneja. Para o seu primeiro jogo no Campeonato Pernambucano, preferiu que o interino Gustavo Bueno escolhesse os onze titulares e a formação da equipe. Por outro lado, a postura do time mudou em alguns aspectos. Embora insuficiente para que o time chegasse ao gol. Um bom exemplo foi o de Rithely, que voltou a chegar como um homem surpresa, assim como fazia na Série A do Brasileiro, no ano passado, quando o Sport era também comandado pelo técnico.

A partida contra o Petrolina seguiu arrefecida até o primeiro terço da etapa inicial.
Somente aos 17 minutos, o meia Marcos Aurélio criou uma chance. Mas o goleiro Diego fez uma boa defesa e impediu que o Leão abrisse a contagem. A Fera chegou a assustar cinco minutos depois. Primeiro, o zagueiro Maurício, atuando na sobra, evitou um gol que parecia certo. Em seguida, Cleitinho quase marca de bicicleta. Magrão defendeu.

A Fera Seraneja estava crescendo na partida. O Rubro-negro, por outro lado, se retraia. Pecava na criação. No esquema 3-5-2, os alas Moacir e Reinaldo pouco contribuiam. Marcos Aurélio ficou sobrecarregado e aceitou a marcação. Na melhor oportunidade que o Leão criou, no último minuto do primeiro tempo, Roger desperdiçou com a barra aberta e o goleiro adversário caído no chão.

Segundo tempo
O treinador Sérgio Guedes promoveu duas alterações no time na volta dos vestiários. Lucas Lima e Matheus Lima, nas vagas de Marcos Aurélio e Sandrinho - respectivamente. As mudanças melhoraram sensivelmente a equipe. O técnico tambémassim, abriu mão de 3-5-2 de Gustavo Bueno e adotou tradicional 4-4-2. O Sport começou a ter um pouco mais volume de jogo que o adversário. Mas nada adiantou. O duelo seguiu no mesmo ritmo até o apito final.

Petrolina
Diego; Jair, Bilica e Rafael; Rogério Rios, Márcio, Allan Reuber, Julinho e Toninho;
Kleitinho e Viola. Técnico: Júnior Caruaru.

Sport
Magrão; Gabriel, Maurício (Cicinho) e Tobi; Moacir, Fábio Bahia, Rithely, Marcos Aurélio (Lucas Lima) e Reinaldo; Sandrinho (Matheus Lima) e Roger. Técnico: Sérgio Guedes.

Estádio: Paulo Coelho (Petrolina-PE)
Árbitro: Niélson Nogueira Dias/PE
Assistentes: Clóvis Amaral e Marcelinio Castro, ambos de PE
Cartões amarelos: Rafael (Petrolina)
Público: 3980

Yuri de Lira - Diario de Pernambuco

Nenhum comentário: