segunda-feira, 1 de julho de 2013

Coca-Cola foi a marca mais lembrada na Copa das Confederações


Em plena Copa das Confederações, a Ipsos divulga os primeiros resultados de uma pesquisa sindicalizada que aborda as motivações dos consumidores brasileiros por trás da Copa do Mundo de 2014 e avalia o recall, ou seja, o grau de lembrança dos anunciantes. Composto por uma etapa qualitativa e outra quantitativa, o estudo está em andamento e se estenderá até o início de agosto.

O intuito do levantamento é entender como ajudar os clientes a gerar ressonância com os consumidores durante a Copa do Mundo e criar conexões mais profundas entre eles.

De acordo com a pesquisa, muitas marcas comunicam mensagens relacionadas à Copa e, em média, 3,5 delas são lembradas pelo público. Entretanto, a grande maioria é de forma pulverizada, com menos de 5% de lembrança espontânea. No topo das comunicações de marcas lembradas espontaneamente estão as da Coca-Cola, do Itaú e da Brahma.

O estudo apontou também que a associação espontânea entre os consumidores e os patrocinadores oficiais da Copa do Mundo é baixa. Coca-Cola (51%), Itaú (23%) e Adidas (15,9%) lideram o ranking.

Após a apresentação de uma lista estimulada das marcas patrocinadoras, as comunicações da Coca-Cola (73%), da Visa (48%) e do Itaú (47%) tiveram os maiores índices de recall. Já entre as marcas não-patrocinadoras, TV Globo (58%), Guaraná Antarctica (50%) e Brahma (48%) foram as mais citadas.

O levantamento também divulgou os índices de associação por segmentos: bebidas (78%), bancário (29%), esportivo (25%), automobilístico (21%), telefonia (19%), alimentos (18%) e cartão de crédito (14%).

“O nosso objetivo é entender as motivações dos consumidores e como trabalhá-las nos diferentes segmentos para que as marcas fujam do ‘lugar comum’ e criem uma comunicação de impacto”, destaca a Managing Director da Ipsos Marketing no Brasil, Leda Kayano.

A primeira fase da pesquisa foi realizada durante a primeira semana da Copa das Confederações, entre os dias 17 e 21 de junho, com mil pessoas de 14 a 55 anos em todas as regiões do Brasil.

A Ipsos começou o estudo antes da Copa das Confederações e está acompanhando, dia a dia, desde o início de junho, como as manifestações afetam a percepção da Copa no Brasil e das marcas vinculadas ao evento esportivo, sejam elas patrocinadoras ou não.

A partir da avaliação qualitativa, a empresa captou uma mudança na visão em relação à Copa. No início dos grupos, o brasileiro se apresentava com mais entusiasmo e, recentemente, com maiores ceticismo e questionamentos, o que demonstra uma mudança na motivação em relação ao tema.


Exame

Nenhum comentário: